Follow by Email

domingo, 30 de março de 2008

Platônico


Amor platônico:
O amor platônico, todo romântico sabe, é aquele que nunca se concretiza. "Platônico" vem de Platão, justamente porque o filósofo grego acreditava na existência de dois mundos o das idéias, onde tudo seria perfeito e eterno, e o mundo real, finito e imperfeito, mera cópia mal-acabada do mundo ideal.


Fico me perguntando a que ponto cheguei?
Acalentar com tanto esmero algo irreal?
E por tanto tempo...

Vou contar, talvez assim as palavras me façam perceber o quanto perco tempo e força.
Há 3 anos cheguei na casa de Bal 1 que estava conversando com um moço no MSn, não dei a mínima e fui arrumar a cerveja no congelador.
Ela do nada solta: - Esse moço é sua cara!
Olhei rápido a imagem da cam e abri minha latinha e respondi:
- Ahhh, só porque usa óculos?
- Ele esta perguntando quem é você.
- Uai, responde.
Nunca soube o que a Bal 1 respondeu, sei que na falta do que fazer sentei lá e troquei meia dúzia de palavras com ele.
Em 30 minutos me ligou, a voz me fez estremecer, mas não quis sair com ele...logo recebi uma mensagem :
Você me seduz fácil demais.
Juro que não tinha feito nada para merecer aquela mensagem, mas ali começava uma longa história.
Trocamos Msn, e todo santo dia nos falávamos, cada dia melhor.
Até que um dia eu liguei e ele foi até a porta do meu apartamento me conhecer.
Quando vi aquele sorriso gigante proporcional aos seus 2metros, pensei: FUDEU!
Conversamos uns 15 minutos e ele solta:
- Eu tenho namorada!
- Entendo, mas por onde anda essa mulher?
- Muito longe daqui, no MT.
Confesso que fui grossa, afinal de contas qual era a daquele cara?
Entrei para casa amaldiçoando a mim, ele e a namorada, quando vi no espelho do elevador que estava com a blusa do lado do avesso e o cabelo horroroso. Pensei: - Menos mal, assim me acha louca e me deixa em paz!
O problema é que a paz já não existia mais, dentro de mim as coisas estavam desgovernadas, estava sentindo uma inquietude que não sabia o nome, tanto que dei um tempo e entrei no MSn e lá estava ele, pensei em bloquear mas foi muito mais rápido que eu:
- Você linda pessoalmente, seu sorriso é uma delícia!
Continuamos a nos falar diariamente, e como tenho a estranha mania de querer consertar o mundo dos outros, virei sua psicóloga e namorada virtual. Sabia de sua vida mais que sua namorada, com certeza.
A coisa por aí ia crescendo.
Ele nunca foi de sair de casa, mas passou a freqüentar os mesmos lugares que eu. Nunca nos encontrávamos, até que um dia o destino nos colocou frente a frente sem nenhum monitor para atrapalhar.
Não resisti e roubei um beijo, roubei mesmo...não pedi. Ele tentou se esquivar, mas não dava mais e foi aí que percebemos que para agravar tudo: tinha química.
As conversar continuavam, a vontade só aumentava e a cumplicidade também.
Passamos a nos encontrar muito, ele sempre soube como me encontrar. Na maioria das vezes conversávamos muito e só, outras eram só olhares e algumas o pior ciúmes pois já que ele não realizava, fazia questão que me visse com o romance da época, era estridente a raiva dele.
Agredíamos-nos como dois namorados, e seu digitar ficava mais leve quando falava que o romance tinha acabado.
As declarações eram sempre linda e totalmente pertinente para o contexto surreal que vivíamos.
Na verdade era um paradoxo.

Parece louco, mas era tudo ( ainda é) tão intenso que é como se estivéssemos um ao lado do outro, como se fosse possível ouvir a risada e o choro.
Até um dia de tanto diz que me diz, esse homem se encheu de coragem (coisa que ele não tem) e falou que estava passando para me buscar, fiquei atônita e confesso que fui invadida por uma incrível vontade de fugir, estava sentindo o mesmo medo que ele tanto tentava me explicar que sentia.
Finalmente ficamos juntos de verdade, era tanta vontade que parecíamos dois famintos de nós dois.
Não tinha mais o que questionar, a música estava certa: “Nós dois fomos feitos muito para nós dois...”
As coisas continuaram como sempre, mais intensas é claro.
Nesse tempo namorei outros homens, arrisquei novas paixões, outros beijos , enfim nunca deixei a vida parar, mas sempre me pegava pensando nele.
Eu sumia, ele também, voltávamos cheios de curiosidades e arrisco dizer que até saudades.
Ficamos juntos outra vez, muito mais intensa, sinto o gosto até hoje...vai fazer 1 ano, aliás vai fazer esse tempo que não nos vemos. Namorei nesse meio tempo, o universo não ajuda no encontro, o dia que ele vai eu não vou e nenhum dos dois tem a coragem de ligar.
Sei que é muito óbvio a história de que quem quer faz, todo mundo fala se ele quisesse te procuraria. Mas eu quero tanto e não procuro.
Por isso não entendo.
Muitas vezes arrisco dizer que a tese é simples: acho que no mundo real eu tenho muito medo de ter a certeza de que ele não é nada disso, por isso prefiro deixar como está. Em um lugar onde quem mexe as peças sou eu, não quero fico off line, se quero estou on, e assim por diante.
É ridículo eu sei, é pouco!
Semana passada nossas conversas chegaram a um nível de definição, enlouqueci daqui e sei o quanto ele enlouqueceu de lá.
A coisa está muito perto de acontecer, agora só não sei responder se é SIM ou Não.
Por maior que seja minha insegurança, ou melhor, medo cansei da “dúvida” embora eu já saiba a resposta.
Eu só quero estar enganada.

Bal 2


Ps: É Tudo tão confuso que não sei escrever, bem ,esse assunto.

Nenhum comentário: