Follow by Email

domingo, 17 de maio de 2009

DIREITO? do consumidor....



Hoje acordei com o interfone, era o porteiro com voz de milhões de amigos, avisando que tinha chegada correspondência.( por que raios um porteiro ás 7hs da manhã é tão feliz?).
Fui de pijama buscar a bendita, por que eu tenho que obedecer o porteiro? ( aceito sugestões).
Entre propagandas, revista da semana..
Tcharã....:
a fatura do cartão do crédito!
Não quis abrir dentro do elevador, morro de medo de ficar presa ali, e sabia que minha reação poderia fazer com que todo o sistema elétrico do prédio entrasse em pane.
Entrei em casa, acendi um cigarro ( não tenho estômago a muito), um cafézinho e abri a fatura.... infeliz!!!!
Eu juro, eu juro por tudo, e todos.
Eu juro em todas as religiões que quando eu comprei o meu computador eu ouvi:
- São 20 parcelas sem juros !
SEM JUROS!!!!!
( Quando eu terminar de pagar as 20 parcelas, computador vai ser coisa da época da pedra).
Só que todo santo mês, vem um tal de JUROS rotativo!
A vendedora mercenaria vestida de papai Noel ( comprei meu computador no Natal. Cilada 1) poderia ter tido uma gota de amor no coração e gritado:

-Olha eu preciso desta comissão mais do que eu preciso de ar para viver! Sua compra de 20X sem juros é sem juros nu e crú, mas é com juros rotativo!

Mas não, o Papai Noel queria ganhar sua comissão natalina!

Agora meu computador está saindo mais caro que um carro. Aliás quando eu terminar de pagar essa p.... vai ter se transformado em um avião, só falta chegar o I.P.V.A.....Pois não, estamos aí, eu pago :/!
Vi no site dos pobres e oprimidos enganados pelas promoções relâmpagos que preciso de prova escrita para poder reclamar os meus direitos.
Ahhhh! Ficou fácil!
Vou sair peregrinando a cidade com uma placa:

Procura-se uma vendedora natalina que engana as pessoas em prol de sua comissão!!!!

Com muita sorte, mas o cúmulo da sorte se eu a encontrar peço para “colega” escrever um texto contando a história do computador mais caro do mundo com juros rotativo sob mensagens subliminares!?
Tenho outra alternativa, segundo o site dos pobres e etc e tal, ir para fila do procom....isso pode me custar 3 tardes e 3 noites. Não tenho paciência para esperar a unha secar...Valha-me, né?!
Na verdade, na verdade e muito na verdade, tenho uma única alternativa: Pagar!
Esse é o direito do consumidor!
E não se fala mais nisso!
Por falar, ou melhor por lamuriar isso, parei de escrever um pouco para comprar ingredientes para fazer uma feijoada....desisti, vai de arroz, feijão e bife de segunda mesmo.
Hoje entendo uma frase que meu PAI dizia de minuto em minuto: Não há dinheiro que chegue!
Faço estas as minhas palavras!
Beijos falidos e aceito contribuição para o pagamento do meu plano de saúde, aceito vale leite,vale gás...vale qualquer coisa.
Em resposta as postagens anteriores urgente mesmo só o $$$$ e a certeza de que temos que pagar.
E tenho dito!

Ps: o problema são as letras miúdas do contrato que nunca lemos...ôhlálálá
Bal2

sábado, 16 de maio de 2009

A força da Ausência


Se me perguntassem hj no que eu realmente acredito, eu diria: NA AUSÊNCIA.
Essa falta de “um não sei o quê” que habita os corações e as almas. Essa ausência do que está por vir, que nos impulsiona a dar o próximo passo e encher o coração de esperança.
A ausência da felicidade completa... A ausência do filho que não veio... A ausência do marido que não se encontrou...
A ausência do que não fui... A ausência da palavra que não foi dita... A ausência de quem partiu...
E nesse rio de ausências, se ausenta por vezes a sensatez. São as ausências premeditadas. Aquelas que criamos para nos boicotar. Nossas inimigas íntimas...
E quando o sensato se ausenta, leva com ele o equilíbrio. E sem o equilíbrio passamos a viver por força da matéria... É aquela coisa que Einstein disse: “Massa precipita-se pelo caminho de menor resistência!”... A vida passa a pender pelo mais fácil... Sem que as conseqüências de nossos atos sejam relevantes. Faz-se e pronto!
Sem dúvida alguma, alguns vão pensar: “Pelo menos se tentou fazer algo!” ... Mas e o preço?! A vida cobra, camarada!! E cobra caro!!
Dar uma de doidivanas pra fazer a vida parecer normal e manter a tradição, não é nada inteligente nem tampouco razoável.
E nesse surto de ausências, casa-se com amigo do amigo que não tem uma cova pra ser enterrado... Que não faz parte do seu contexto... Que deveria ser distração e tomou a proporção indevida apenas pelo pavor da solidão... Monta-se o cenário do casal feliz... E tira uma foto pra ver se sai na próxima propaganda de margarina. Engravida-se pra perpetuar a espécie, mas esquece-se que a prole é resultado dos dois genes...

GENTE!!! Ter filho é coisa séria!

Eu tenho ódio quando escuto alguém dizer: Eu preciso ter um filho!...
Ninguém precisa ter filho... Filho não é souvenir...
Não é o bibelô que vc compra na loja da esquina e coloca à mostra na estante de casa: “Olha!! Que coisa mais linda!!! Parece com quem?!” , e vc responde: “Não sei... Não conheço direito o pai!”

CARALHO!!!

Não é ter filho pq a mãe quer ser avó... Não é ter filho pq o irmão não pode ter... É ter filho pq tem certeza que está preparada pra cuidar! É ter filho pq tem uma vida estruturada, e essa estrutura foi feita pra receber uma criança e amá-la. É ter filho pq vc se programou pra isso... Pq vc encontrou um cara tão especial que vc quer ter uma criança com todas as características dele... E, meu Deus!!! Pra saber se esse cara é tão especial a ponto de querer ter um filho com ele é preciso convivência... É preciso tempo!!.. É preciso muito mais que 2,3 meses de namoro...

CARAMBA!!! Será que apagaram a lamparina do juízo de todo mundo e só eu fiquei com essa vela acesa na mão?!

Ah, se Deus me permitisse refazer minhas escolhas... Eu seria pior que a mocinha do “PS: Eu te amo!”... Encontraria um homem pela primeira vez e faria um questionário que dificilmente ele saberia responder:
_ Vc é homem?!
_ Vc trabalha?!
_ O que ser homem significa pra vc?!
_ Como vc acha que uma mulher deve ser tratada?!
_ Como vc irá reagir no dia em que eu te encher muito saco?!
_ Quanto vc acha que um homem deve participar nas despesas da casa?!
_ Como vc reagirá quando eu não quiser que a sua mãe dê palpite em nossa casa?!
_ Como vc se sentirá se eu ganhar mais que vc?!
_ Vc saberá respeitar o meu silêncio?! E o meu espaço?!
_Vc entenderá quando eu simplesmente disser que não quero sexo naquele dia ou vou ter que inventar uma dor de cabeça?!
_ Vc vai ter coragem de chegar em casa e contar que transou com aquela colega de trabalho gostosa?!
_ Vc concorda que amar não é pra sempre?!
_ Quando nos separarmos e o filho ficar comigo vc vai continuar sendo pai?!
_ Vai ser preciso que eu brigue na justiça pela pensão?!
_ Depois disso tudo conseguiremos continuar amigos?!

Certamente... Na hora “H” muitas outras perguntas surgiriam...
Mas Deus não dá essa chance...
Cavamos nosso destino com nossas unhas e as marcas de arranhões ficam na alma.
E de nada adianta falar, pois a experiência só lhe cabe e a mais ninguém...
Gostaria de ser otimista como minha amiga Bal2, mas ela sabe no fundo que a história que ela contou não dará certo...
Fazer o que?!
É a roda da vida girando louca e desgovernada...
A ausência de discernimento e a urgência de afeto são os carros chefes dos novos tempos.
E ficamos aqui a espiar mais uma história.
E ficamos aqui a aquecer o ombro pra mais uma lágrima... E o pior... A pele é permeável e nunca saímos incólumes de absorver essas dores.

Prece do dia: “Senhor, fazei com minha amiga abra os olhos antes do próximo passo e escute a única voz sensata que está ao seu lado. Amém!”

Beijos de luz!

Bal1

O Urgente é a calma



Soube a pouco que uma amiga de infância ficou noiva!
Ficou noiva do amigo do meu irmão.
Ficou noiva, com previsão para morarem juntos assim que acharem um fiador para o aluguel do suposto ninho de amor ( isso pode levar séculos).
Ficou noiva.....em menos de 2 meses de namorico.
Até aí tudo bem. O que tem de mais isso?


Vou começar essa postagem desta forma pois ela me da embasamento para falar de algo que vem povoando meus inúmeros momentos de reflexão.


A Urgência de afeto.


O corpo pede, a alma reclama e a sociedade julga e cobra. Pronto você acaba de entrar em um emaranhada de urgências, respire fundo porque a partir daí quase tudo será obedecido menos o seu lado racional.
Desta forma o que vier ... veio, e geralmente entre muitos desejos sexuais, vontade de ser amélia e uma insuportável necessidade de escancarar uma aliança na mão esquerda, nos faz embarcar em uma história nada romântica, apenas cheias de planos e silêncios.
Já fiz isso, casei, decorei o ninho de “amor” com detalhes tão nossos que quase não permitia visita de estranhos. “Era nosso!”
Não vou detalhar meu “casamento” que durou 8 meses, mas preciso falar como acabou.
Tenho a estranha mania de pensar tão em silêncio que nem eu mesma sou capaz de escutar, até que um dia a alma pediu atenção e percebi que: Eu não amava, que o porta retrato digno de uma biografia de amor era falso, quase feita no photoshop, que a visita estranha era eu.
Parei de sorrir e fui povoada por uma solidão tão intrínseca que chorava escondido no banheiro para que nada respingasse no meu ninho de amor inventado.
Sofria como uma insana, pois não sabia como deixar de obedecer a carência, o eminente, a cegueira!
Como eu ia deixar de ser casada da noite para o dia?
Quem ficaria com os quadros que pintei com temas românticos?
E a cama tão grande que compramos para dividir noites de rotinas ( uma hora a palavra urgência se transforma em rotina, como em um passe de mágica)?
Quem iria me aguentar?
E as alianças?
COMO EU SENTARIA NA FRENTE DAQUELE HOMEME E DIZER:- Preciso te deixar, por que nunca te amei, nunca foi você...foi tudo menos amor!!!!?
Enlouqueci de um tamanho tão grande, olhem isso, minha alegria era quando ele tinha trabalhos da faculdade pois eu os fazia e este era o único momento em que nem eu nem ele cobrávamos matrimonio.( deveria ter ido receber o diploma).
Era uma redenção!
Até que um dia o chorar era alto demais e passava pela porta inundando o que chamávamos de lar.
Pedi que sentasse na minha frente, ele já veio chorando...meus olhos não costumam mentir e com toda a dor do mundo falei:
Acabou, ou melhor nem começou. Vai embora!
Acabará de matar os sonhos dele e ressuscitar minha realidade.
Tirei minha aliança e passei a noite a chorar.
Foi a primeira vez na vida que percebi o quanto não sabemos ouvir o nosso coração.
Querer colo, um pé quentinho, uma noite acompanhada, um jantar a luz de vela...pode ser coisa feita sem contratos. Posso estar parecendo o ser mais frio do mundo, juro que não sou e por isso tive um profundo ódio de não ter usado o coração e alma essa hora...os cacos só conseguimos juntar 3 anos depois, quando conseguimos olhar um nos olhos do outro e dizer: - OBRIGADA!
( Hoje somos “amigos” com algumas rusgas é claro, mas temos um respeito lindo um pelo outro, confesso a culpa foi toda minha).
Agora minha amiga embarca na mesma história ou estória, seus olhos brilham a cada jogo de panela que vê.
Não só ela, vejo tanto caso parecido.
Tantos jogos de aparências por aí, enquanto o coração deixa de aparecer para não enterrar o que já está morto.
Não posso definir, nem muito menos julgar. Deveria aconselhar, pois até hoje tenho cicatrizes que insistem em me lembrar o ocorrido e o que me fez um bocado cética.
Mas não aconselharei, sou a favor dos riscos, passei a adolescência lendo Buscaglia, só peço para que não maltrate seja lá o que for.
Não raro vejo olhos piedosos dizendo:
Tadinha, 34 anos solteira e sem filhos!
Você não ama ninguém?!!!!!
Só esboço um sorriso amarelo, até porque eu acredito no amor e sonho com marido, filhos, cachorro, casa e etc e tal. Sonho muito e espero ansiosa cada segundo da minha vida.
Talvez por já estar escolada a ponto de saber a cartilha de cor, sei identificar o que é para já, o que é para logo e o que não é...acabo então deixando a intuição me governar, se eu entrar na mão errada tenho outro GPS bem confiável: MEU CORAÇÃO!
Quanto a minha amiga desejo sorte e humildemente desejo força!


Enquanto isso passo minhas noites me divertindo sem urgências ou assistindo Vicky Cristina Barcelona (vale a pena,trata com maestria essa tal urgência de afeto) como fiz ontem...se a cama está “vazia” ao menos está cheia de "certezas".
Tem uma lição que aprendi: amor é amor! Não tem urgência, tem vida própria.
O urgente é a calma!
Não se apresse, o que é seu, vem a seu encontro.... e...
Com calma.
Bal 2